Entrevista

Café com ousadia

15 Maio 2018

Entrevista – Pedro Lima
 
Filho do fundador da companhia, prestes a completar seis décadas de existência, o empresário potiguar Pedro Lima assumiu a 3Corações em 1984, junto com os irmãos Vicente e Paulo. Comandou, ao longo dos últimos 30 anos, um amplo processo de modernização da empresa,
hoje líder do segmento nacional de café torrado e moído, com 24% de market share e, coincidentemente, dispondo de 24 marcas do produto no mercado, e também campeã em vendas de cappuccino.
 
Com quase seis mil colaboradores e faturamento de R$ 4,4 bilhões em 2017, a 3Corações tem como principal característica a busca pelo crescimento e por novos mercados. O setor de café em cápsulas, por exemplo, no qual a empresa entrou em 2013, não para de crescer e,
segundo Pedro Lima, deve receber ainda mais aportes do grupo.
 
Faz parte dessa estratégia a inauguração, em breve, de uma linha de produção de cápsulas na fábrica da empresa em Montes Claros (MG), dobrando a capacidade instalada para 20 milhões de unidades por mês. O segredo do sucesso do grupo, segundo o empresário, é jamais se desconectar dos consumidores. “Valorizamos uma relação de proximidade e laços verdadeiros com eles”, diz Lima nesta entrevista, na qual ele também anuncia novidades para os próximos anos.
 
Qual a trajetória do senhor até chegar ao posto que ocupa hoje, conduzindo os negócios do grupo e de uma marca tão importante?
 
Nasci no Estado do Rio Grande do Norte e sempre estive ligado ao setor de café, acompanhando o meu pai, que em 1959, iniciou um negócio para comercializar café verde na região do Estado que residíamos. Em 1984, deixei a faculdade, para, junto com meus irmãos, Vicente e Paulo Lima, assumir o comando da empresa. A partir de então, a companhia se expandiu e, em 2002, o Café Santa Clara assumiu a liderança de mercado nas regiões Norte e Nordeste. Em 2005, a Santa Clara realizou uma joint venture com a israelense Strauss e incorporou marca de Café 3 Corações ao Grupo 3corações. Atualmente, a empresa, que é liderada por mim, tem 24 marcas de cafés. Em 2015, fui eleito o empreendedor do ano pela EY (Ernst & Young) o Empreendedor do Ano na categoria master. Também sou
embaixador da Endeavor Brasil, organização líder no apoio a empreendedores de alto impacto ao redor do mundo. E conselheiro da Fundação Social Raimundo Fagner.
 
Qual a posição de mercado da 3corações hoje, em market share, pontuação no ranking setorial etc? E o último balanço? Qual o “tamanho” do grupo, hoje?
 
O Grupo 3corações teve o faturamento de R$ 4,4 bilhões em 2017 e é líder no mercado brasileiro em café torrado e moído, tendo em torno de 24% do market share, segundo a Nielsen; e líder absoluto de cappuccino. E vice-líder em café solúvel com mais de 30% da categoria. A empresa conta hoje com 5.867 colaboradores e teve crescimento anual na casa dos dois dígitos nos últimos 20 anos. Exportamos para a América do Sul e Estados Unidos.
 
Para a empresa, qual o papel de Minas Gerais, tanto em produção quanto em termos de mercado consumidor, nos negócios da empresa?
 
A cafeicultura de Minas é responsável por mais de 50% do café produzido no Brasil, é o maior produtor do país. Minas Gerais é o berço do Café 3 Corações. Temos uma relação muito forte e importante com Minas, e principalmente com o povo mineiro. Minas, como Estado, é
referência para a cafeicultura brasileira, e um ponto estratégico para o Grupo 3corações, que instalou sua unidade de exportação, em Varginha, duas unidades de compra e beneficiamento de café verde Manhuaçu e Varginha; duas fábricas, uma localizada em Montes Claros e outra em Santa Luzia. E dois Centros de Distribuição no Estado, Santa Luzia e Montes Claros. Além da marca Café 3 Corações
atuamos com outras marcas no mercado mineiro, dentre elas, Café Toko – Juiz de Fora e Café Leticia, no Norte do Estado.
 
A 3 corações foi pioneira da chamada quarta onda do café, na qual as empresas do setor começaram a abrir seus próprios negócios, ou comprando redes de cafés e lojas de alta qualidade para desenvolverem as suas marcas próprias e conhecerem as tendências de consumo. Como a empresa se posiciona hoje nesse mercado?
 
Desde sua fundação a 3corações tem os seus princípios e valores voltados para o consumidor. Estamos sempre atentos às expectativas do consumidor e buscando sempre estar próximo dele, atendendo seus anseios. Os movimentos no segmento do café causaram transformações na maneira de tomar café. Por isso, para ir ao encontro dos anseios do consumidor, fomos pioneiros em oferecer o cappuccino ao mercado brasileiro, oferecemos linhas de cafés especiais como o Santa Clara Reserva da Família - e apresentamos recentemente a edição limitada do Reserva Especial Florada, um café 100% produzido por mulheres cafeicultoras do Sul de Minas. A máquina multibebida TRES também surge para atender as demandas de nossos consumidores.
 
Que avaliação o senhor faz, especialmente, da participação da empresa no mercado de café em cápsulas, hoje e no médio e longo prazos?
 
O Grupo 3corações investe no mercado de cápsulas desde 2013, quando lançamos a TRES, nossa marcade máquinas e bebidas em cápsulas. O segmento de cápsulas do Grupo vem ganhando cada vez mais importância. Atende o consumidor de forma especifica, no momento em que ele quer tomar um expresso, um chá pela tarde ou uma bebida diferente, como café com leite e chocolate. A recepção desse produto foi acima de nossas expectativas. Esperávamos comercializar 1 milhão de máquinas até 2019, porém, alcançamos esse número já em 2017. Sempre estamos lançando novos sabores de capsulas e em breve nova geração de maquinas estará no mercado.
 
A empresa faz planos de expansão e de novos negócios e de ampliação do mix de produtos para este ano e a médio e longo prazo?
 
O grupo 3corações sempre vem realizando seguidos investimentos. Em 2017, foram relevantes os investimentos nas unidades industriais do grupo. Estamos investindo também na linha de produção da nossa fábrica em Montes Claros, que irá dobrar sua capacidade de
produção de cápsulas para 20 milhões de cápsulas por mês. Em 2018 será lançada a linha de cafés especiais da marca Café 3 Corações, que será apresentada na APAS. A mais recente aquisição do Grupo foi o Café Manaus, agora em abril, com atuação no Norte do país, onde iniciamos a construção de uma nova fábrica.
 
Um dos diferenciais da 3corações tem sido a preocupação, como o senhor costuma dizer, em “entender a cabeça do consumidor”. Como se faz isso?
 
Estando próximo ao consumidor, ouvindo seus anseios. E assim criando produtos simples, com qualidade que atendam as expectativas do consumidor. Valorizamos uma relação de proximidade e laços verdadeiros com eles.
 
Vivemos nos últimos três ou quatro anos um período de recessão, com retração do consumo em todos os setores. Como a empresa enfrentou esse período? Dá para dizer que estamos saindo da crise?
 
Ao longo de mais de 20 anos temos construído uma companhia que se prepara para que em momentos de adversidades mantenha-se competitiva. A governança implantada na 3corações nos propicia enfrentarmos estes momentos. Nos preparamos sempre atualizando o
nosso parque industrial; com a instalação do nosso Centro de Serviço Compartilhado que nos proporcionou uma redução de despesas, velocidade e aumento de competitividade; e a nossa plataforma logística e comercial própria, que vem sendo um divisor de aguas na empresa. Investimos muito em logística. E assim continuaremos: Investindo.
 
 

Siga o Mercado Comum