Informações Privilegiadas

Cachaça: Conheça 11 mitos e verdades sobre a bebida brasileira

01 Agosto 2017

Especialista da Cachaçaria Nacional desvenda afirmações comuns que vão fazer a população mudar de ideia sobre a cachaça

A cachaça, esta bebida genuinamente nacional, cheia de aromas e sabores, carrega consigo histórias que demonstram sua importância para os brasileiros. Mas será que as “frases típicas” sobre esta bebida, feita de caldo de cana fermentado e destilado, são realmente verdadeiras? Para ajudar, o especialista Rafael Araújo, da Cachaçaria Nacional, desvenda alguns mitos e verdades sobre a bebida com o intuito de melhorar a experiência que cada gole de cachaça proporciona.

Confira abaixo:

1 - A cachaça boa é só a amarela
Mito. A Cachaça branca, que não possui envelhecimento, é a cachaça pura em sua essência. É a base da amarela. Ideal que seja boa para produzir uma amarela.

2 - Quanto mais envelhecida, melhor é a cachaça
Mito. O tempo de envelhecimento não determina se a cachaça é melhor ou pior. Geralmente com o maior tempo de envelhecimento a cachaça fica mais complexa em suas notas sensoriais. Aquelas envelhecidas em bons barris podem ter muita complexidade, mas a melhor sempre será a gosto de cada um.

3 - Cachaça artesanal é melhor do que a industrial
Polêmico afirmar, porém a artesanal tem um cuidado maior em sua produção. O pequeno produtor acompanha todo o processo de destilação para separar a cabeça (primeira porção da destilagem) e a calda (última porção). Estes dois elementos possuem substâncias nocivas à saúde e atrapalham completamente o sabor da cachaça. Já a cachaça industrial de coluna, pelo grande volume produzido, geralmente não consegue extrair perfeitamente e fazer essa separação.

4 - Cachaça deve ser bebida em copos transparentes
Verdade. O ideal é que se faça a degustação em copos transparentes para que se faça a análise visual da cachaça de forma que possamos ver a viscosidade, oleosidade e pureza.

5 – A cachaça de maior valor tem qualidade superior
Mito. Cada produtor tem os seus custos de produção, investindo em garrafas personalizadas e na apresentação como um todo. Isso altera o preço final. Mas a forma e o tempo de envelhecimento podem igualar a de marcas mais baratas. Existem excelentes cachaças com apresentação mais simples que competem com cachaças mais caras. Temos o exemplo de campeãs em concursos mundiais no valor de R$ 20 a R$ 35,00.

 6 - A cachaça deve ser tomada em pequenos goles
Verdade. Costuma-se dizer em micro goles, pois ela deve ser degustada devagar, rodando em toda a boca para que se possa sentir o seu sabor.

7 - Cachaça dá dor de cabeça
Depende. Cachaças mal produzidas podem dar dor de cabeça. É justamente a que não separa a cabeça e calda, deixando apenas o coração da destilação. A cachaça bem produzida não dá dor de cabeça. O segredo é tomar com moderação acompanhada de um copo d’água.

8 - Cachaça abre o apetite
Verdade. A cachaça aumenta apetite pela sua complexidade, pois “abre” as papilas gustativas e prepara para as refeições.

9 - A cachaça muito forte queima a garganta
Verdade. Quanto maior o teor alcoólico, mais queima. Mas depende bastante da forma como se degusta. O ideal é que, antes de engolir, coloque-se uma pequena quantidade na língua e rode em toda boca, misturando com a saliva e para depois engolir. O primeiro gole pode sempre ser “mais forte’”, já os próximos vão ser mais agradáveis, apreciando todas as notas sensoriais. Para iniciantes, recomendamos as mais fracas, com teor alcoólico de 38% até 40%.

10 - Cachaça tem prazo de validade indeterminado
Verdade. Cachaça possui prazo indeterminado de validade. Guardando em local seco, ao abrigo do sol e muito bem vedado, durará indeterminadamente.

11 – Cachaça e aguardente são iguais
Mito. Pela legislação, cachaças possuem o teor alcoólico de 38% a 48%. Acima deste grau, considera-se a bebida aguardente.

Sobre a Cachaçaria Nacional

A Cachaçaria Nacional é a maior loja de Cachaças Online do Mundo e oferece mais de 1000 rótulos de cachaças artesanais de alambiques das principais regiões produtoras do Brasil, além de acessórios para degustação, barris/dornas, linha gourmet, dentre outros.
 

Siga o Mercado Comum