Informações Privilegiadas

Brasil terá o maior complexo para inovação da América Latina

23 Outubro 2017

BNDES aprova financiamento para instalação em Minas Gerais do Instituto SENAI de Inovação, projeto que trará ao país infraestrutura de P&D&I, fomentando o setor industrial.
 
Maior complexo para inovação da América Lati-na, o Instituto SENAI de Inovação – Centro Empresarial de Desenvolvimento e Inovação da Indústria Elétrica e Eletrônica (ISI-CEDIIEE) conta com novo estímulo fina-ceiro para se concretizar. O BNDES aprovou financi-mento de R$ 122,8 milhões para a Unidade, a ser ins-talada em Itajubá, no Sul de Minas Gerais. Um primeiro financiamentojá havia sido aprovado em 2014, no valor de R$ 76,1 milhões. O investimento total do complexo é de cerca de R$ 425 milhões.
 
“Itajubá tem, reconhecidamente, uma das me-lhores escolas de engenharia do Brasil, técnicos e mão de obra de alta qualidade. A indústria de Itajubá é uma das que mais cresce em Minas Gerais. Nesse sentido, a cidade já se classificapara receber um investimento desse porte”, ressaltou o presidente da FIEMG, Olavo Machado Junior.
 
O projeto é desenvolvido pela CNI, FIEMG, Sin-dicato da Indústria de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares no Estado de Minas Gerais – SINAEES MG e conta com a parceria do Governo do Estado de Mi-nas Gerais, por meio da CODEMIG, além da FAPEMIG e CEMIG. Com obras iniciadas em janeiro de 2015, o complexo será concluído até 2020, quando estará entre os dez maiores do mundo.  A etapa inicial da obra já foi executada, com terraplenagem e asfaltamento da área. A próxima etapa contempla a construção da Subesta-ção de 138kV e, em seguida, se iniciará a aquisição dos equipamentos, além da construção da estrutura predial.
 
A coordenadora do ISI-CEDIIEE, Gilmara de Oli-veira, informou que o complexo ocupará uma área total de 210 mil metros quadrados e 60 mil metros de área útil, e será pioneiro na América Latina na pesquisa e desenvolvimento de novos equipamentos, utilizando para isso, principalmente o laboratório de Alta Potên-cia. Neste laboratório será instalado Gerador de Curto Circuito próprio, tornando-o independente da conces-sionária, dando total flexibilidadepara sua utilização. A estrutura contará, inicialmente, com quatro laboratórios para atender a demanda da indústria nas áreas de Alta Tensão, Alta Potência, Elevação de Temperatura e En-saios Mecânicos.
 
As grandezas instaladas permitirão à indústria brasileira desenvolver novos equipamentos e sistemas, comparáveis com outras tecnologias de ponta no mun-do. Poucos países contam com infraestrutura similar de P&D&I integrada ao setor industrial e a realização de testes em equipamentos elétricos e eletrônicos como os previstos no ISI-CEDIIEE, entre eles, EUA, Canadá, Holanda, Japão e outros países da Europa Ocidental.
 
O Brasil tem importante e diversificadabase in-dustrial de fornecedores da cadeia elétrica, que pode se beneficiarda nova infraestrutura. Ela foi viabiliza-da por meio da demanda de uma estrutura de P&D&I para o setor de geração, transmissão e distribuição de energia, que consome de uma maneira muito forte os quipamentos e sistemas que serão desenvolvidos e testados em Itajubá. A estrutura do laboratório terá ca-pacidade técnica para ensaios de classe de tensão de até 550kV, com ensaios de alta potência até 1500MVA e na elevação de temperatura com até 25.000A.
 
De acordo com o presidente da FIEMG, Olavo Ma-chado Junior, num prazo muito curto, vários outros seto-res industriais como óleo e gás, eólico, naval, têxtil, mate-riais elétricos, materiais para construção civil e materiais de isolamento irão se beneficiardesta estrutura para fazer seu desenvolvimento. “O ISI-CEDIIEE certamente eleva-rá a competitividade e inserção de novas empresas, num mercado produtor anteriormente extremamente restrito, incentivando geração de empregos qualificadose impul-sionando atividades de P&D&I”, disse.
 
O presidente da FIEMG informou ainda que já existem empresas americanas conversando com a Prefeitura de Itajubá, interessadas em se instalar pró-ximo ao Laboratório, “da mesma forma, grande fabri-cante chinês, além de outras que consultam para ali se instalarem”.
 
Inovação - O Instituto SENAI de Inovação – Cen-tro Empresarial de Desenvolvimento e Inovação da In-dústria Elétrica e Eletrônica (ISI-CEDIIEE) é uma das iniciativas do Sistema Indústria que têm como objetivo principal aumentar a produtividade e a competitividade da indústria brasileira, com a criação de soluções ágeis, inovadoras e sob medida para indústrias de grande, médio e pequeno porte.
 
O foco de atuação dos institutos é a pesquisa aplicada, desde a fase pré-competitiva, de definiçãode conceitos e experimentações, até a etapa final,quando o novo produto está prestes a ser fabricado pela indústria.
 
O atendimento abrange apoio laboratorial para prototipagem e plantas-piloto (estágio pré-competitivo); Serviços tecnológicos de alta complexidade e alto valor agregado; Transferência tecnológica, aumento de perfor-mance, redução de riscos tecnológicos; Ecossistema de inovação para desenvolvimento de novos produtos, pro-cessos e tecnologias; Conexão com os principais atores do Sistema Nacional de Inovação e consultoria e treina-mento em diversas áreas tecnológicas.
 
Cada instituto é um ambiente de contínua intera-ção entre a indústria, empreendedores, universidades, institutos de pesquisa e fontes de capital, resultando na aceleração do fluxode conhecimento científicoe tecnológico e em benefícios efetivos para o segmento industrial.
 
Até 2018, o SENAI vai inaugurar 25 Institutos SE-NAI de Inovação em 12 estados. Desse total, 21 unida-des já são operacionais, com 150 projetos contratados.
 
As unidades foram instaladas próximas a com-plexos industriais e universitários, presentes nas cinco regiões no país. Os institutos formam uma rede mul-tidisciplinar, com atendimento em todo o território na-cional.
 
Os Institutos SENAI de Inovação foram criados para proporcionar soluções ágeis e inovadoras sob me-dida às necessidades da indústria. Com os institutos, as empresas brasileiras estão mais preparadas para enfrentar os desafiosdo futuro, de grande competição global e forte transformação tecnológica.
 
Seu foco de atuação é a pesquisa aplicada: o emprego do conhecimento no desenvolvimento de no-vos produtos e soluções customizadas ou de ideias que geram oportunidades de negócios. Os institutos traba-lham desde a etapa pré-competitiva da inovação - mo-mento em que nascem conceitos para novos produtos e aplicações, e são feitas experimentações e validações, com grandes riscos para as empresas -, até a etapa de prototipagem e produção piloto do novo produto.
 
A organização em rede e de forma complementar e multidisciplinar é um diferencial. Quando um desafioé apresentado pela indústria, especialistas de várias uni-dades são reunidos em equipe, na qual também podem participar pesquisadores das empresas contratantes.
 
Os institutos estão instalados próximos a com-plexos industriais e universitários, com o objetivo de fa-cilitar o fluxode conhecimento científicoe tecnológico. Há unidades nas cinco regiões do país, um incentivo à criação de espaços de inovação também fora dos gran-des centros tradicionais.
 
Laboratórios de última geração estão equipados com máquinas e equipamentos de ponta para oferecer pesquisa aplicada e serviços tecnológicos de alto va-lor agregado. Os talentos que integram as equipes dos institutos têm origem nas universidades, institutos de pesquisa nacionais e internacionais, além da  indústria. A maior parte das equipes possui títulos de mestrado e doutorado. Quando um projeto exige conhecimento ou equipamentos inexistentes no Brasil, a rede busca parceiros estrangeiros referência na área.
 
Seis institutos já são credenciados pela Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e suas iniciativas contam com recursos diferenciados para financiamentode projetos. Os institutos ainda desenvolvem projetos com recursos de investimentos diretos pelas empresas, financiamentopelo Edital de Inovação para a Indústria ou outras fontes regionais e nacionais de fomento à pesquisa e inovação.
 
OUTROS INSTITUTOS SENAI DE INOVAÇÃO EM MINAS
Além do Instituto SENAI de Inovação – Centro Empresarial de Desenvolvimento e Inovação da Indús-tria Elétrica e Eletrônica (ISI-CEDIIEE) em Itajubá, Minas Gerais conta ainda com outros três instalados em Belo Horizonte. O CIT SENAI FIEMG é composto de Institu-tos de Inovação e Tecnologia com foco na promoção do avanço tecnológico e impulsão da competitividade e o crescimento sustentável das indústrias de Minas Gerais e do Brasil.
 
Especializados em uma área de conhecimento transversal; Atendem a diversos setores industriais em todo o território nacional; Laboratórios concebidos para inovação, engenharia de alta complexidade e P&D.
 
ENGENHARIA DE SUPERFÍCIES
Soluções para aumento de desempenho, con-fiabilidade,competitividade e qualidade dos produtos, componentes e sistemas por meio da alteração das suas propriedades superficiais
 
METALURGIA E LIGAS ESPECIAIS
Soluções inovadoras em produtos e processos metalúrgicos com o foco na competitividade industrial brasileira.
 
PROCESSAMENTO MINERAL
Líder nacional em pesquisa, desenvolvimento e inovação em processamento mineral, com grande ex-periência na promoção da competitividade e da susten-tabilidade da Indústria.
 
 
 

Siga o Mercado Comum