Entrevista

“O modelo de saúde da forma como existe hoje está se esgotando”

15 Maio 2018

Entrevista – Luiz Otávio Fernandes de Andrade

A Unimed Federação Minas representa, política e institucionalmente as 67 Unimeds do Estado que agregam 17,7 mil médicos cooperados de 97,7% do Estado e 2,8 milhões de clientes. Juntas, essas cooperativas médicas detém 58% do mercado de atendimento privado de saúde e geram 8,2 mil empregos diretos. Em impostos, o sistema gera R$ 1,2 bilhões.
 
O presidente executivo da Unimed Federação Minas é o médico anestesiologista do corpo clínico do Hospital Madre Teresa, Luiz Otávio Fernandes de Andrade. Em suas duas funções, ele tem a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos que adquiriu em três décadas de atividades, como profissional de saúde e gestor.
 
Graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com residências nas áreas de Clínica Médica e Anestesiologia e especialização em Terapia Intensiva. Mas foi durante a pós-graduação em Gestão de Negócios e Tecnologia da Informação pela Fundação Getúlio Vargas, que seu interesse pelo lado corporativo da sua profissão ganhou força.
 
A experiência em grandes instituições da área médica e cooperativista foram o campo fértil para Luiz Otávio de Andrade exercer o seu lado como gestor. Ele já presidiu a Federação Nacional das Cooperativas Médicas (Fencom) e também foi diretor administrativo do Sicoob Credicom.
 
Na Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg) ocupou cargos no Conselho de Ética e no Conselho de Administração, do qual ainda faz parte. Já como vice-presidente do Conselho de Administração da Organização Nacional de Acreditação
(ONA), aprimorou os conhecimentos sobre a qualidade da prestação de serviços de saúde no Brasil.
 
No Sistema Unimed, começou sua carreira como diretor de Provimento de Saúde da Unimed BH e atuou também como Conselheiro de Administração da Central Nacional Unimed. Foi coordenador médico do Comitê Técnico Nacional de Produtos Médicos da Unimed do Brasil (CTNPM) e é diretor superintendente do Unimed Fundo de Pensão Multipatrocinado das Seguros Unimed.
 
Na Unimed Federação Minas, antes de assumir como presidente executivo, Luiz Otávio foi assessor de Regulação e Saúde Integral e coordenou iniciativas como o Projeto Mais, sobre o Modelo de Atenção à Saúde, e o DRG, que trata da qualificação hospitalar, ambos com foco na sustentabilidade das Unimeds mineiras.
 
Nesta entrevista, o presidente da Unimed Federação Minas fala de uma organização que trabalha diariamente para a melhoria da qualidade prestação do serviço de saúde em Minas Gerais.
 
Qual é a linha de atuação da Unimed Federação Minas?
 
Por meio de consultorias especializadas, a Unimed Federação Minas proporciona um ambiente de negócios qualificado às cooperativas médicas. Nosso objetivo é promover o desenvolvimento e o fortalecimento da marca Unimed em todo o Estado, por meio da melhoria da qualidade do atendimento ao cliente. Para tanto, temos diversos projetos para auxiliar as cooperativas nesse processo contínuo de aprimoramento.
 
Quais os desafios da Unimed Federação Minas?
 
A busca pela sustentabilidade financeira e assistencial deve ser entendida como questão de sobrevivência para as operadoras. O modelo de saúde da forma como existe hoje está se esgotando. O perfil da população e das doenças que acometem as pessoasm tem passado por significativas mudanças. Além disso, novas tecnologias estão sendo incorporadas com grande velocidade aos tratamentos médicos, o que contribui para compor um cenário de saúde que não lembra em quase nada o que há poucos anos.
 
No momento, essas mudanças têm gerado umgrande ônus aos planos de saúde, com impacto aos valores pagos pelos beneficiários, sendo que a melhoria da assistência oferecida não consegue ser proporcional ao aumento dos custos.
 
Qual a proposta da Unimed Federação Minas, diante desse cenário?
 
A Unimed Federação Minas tem apresentado propostas, como o Projeto Mais, com objetivo de reorientar o modelo assistencial vigente, para trazer a atenção primária para o centro dos cuidados com o beneficiário, por meio da adoção de uma rede integrada de assistência ao paciente.
 
Na prática, um sistema de serviço em saúde que tem como base a atenção primária foca na pessoa ao invés de focar na doença. Esse modelo demanda uma reorganização dos serviços, com o desenvolvimento de redes integradas capazes de oferecer atenção a todas as condições de saúde do paciente, integrando todo o atendimento demandado.
 
No caso do Projeto Mais, a Federação vai oferecer às Unimeds mineiras todo o suporte, por meio de consultorias, com objetivo de prepara-las para implantação do novo Modelo de Atenção Integrada à Saúde.
 
O que são os DRGs?
 
Outro ponto estratégico do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Unimed Federação Minas e que visa contribuir para a sustentabilidade econômico-financeira das Unimeds é o DRG, sigla em inglês que pode ser traduzida como Grupos de Diagnósticos Relacionados.
 
O DRG é uma ferramenta de gestão usada para medir e comparar eficiência, custos e produtividade relacionados às internações hospitalares. Essa classificação é feita a partir avaliação dos prontuários médicos levando em consideração as características do paciente, o que o levou à internação, doenças associadas que influenciaram no seu atendimento e condições adquiridas durante o tratamento hospitalar.
 
A nossa proposta é para que cada Unimed possa atuar junto aos seus prestadores para qualificar o atendimento para o beneficiário, para reduzir complicações e internações sucessivas que sejam desnecessárias. Assim, vamos reduzir os custos e a melhorar os parâmetros assistenciais. Mais uma vez, a Unimed Federação Minas vai auxiliar as Unimeds fornecendo o Sistema de avaliação, consultoria e treinamento para implantação do DRG no Estado.
 
 

 

Siga o Mercado Comum