*

É difícil imaginar como será a vida de bares e restaurantes depois desta trágica pandemia.

                Já ouvi muitas opiniões – eu mesmo tinha a minha -, mas nenhuma me convenceu.

                Nunca ninguém, em lugar nenhum, passou pelo que estamos vivendo. Tanto em termos sanitários quanto econômicos, sociais, esportivos, artiscos, etc etc etc…

Então, ninguém sabe nada!

                Não dá para prever nada.

                Tenho quase total certeza de que a rotina que existia na área gastronômica não será a mesma. Um dos fatores de mudança será o próprio mercado, abalado e enfraquecido, que sofreu e ainda vai sofrer baixas consideráveis.

                Não sei se apenas o Poder Econômico vai influir para a sobrevivência das casas. Quem tem caixa forte aguenta o baque ou o fator inexperiência e o espírito aventureiro dos empresários será fundamental?

                Tem muito Tigre de Papel envolvido nessa historia… casas q viviam cheias, mas sem estrutura técnica e econômica para suportar a crise.

                Como resolver a situação dos empregados? Depois de tantos meses, será que ainda vão estar disponíveis?  E o estoque, como fazer para recompor tudo de uma vez só? São perguntas ainda sem respostas.

                Essa abertura q fizeram a partir do final de agosto não foi animadora para muitos restaurantes. Há pessoas que não vêm perigo algum em levar uma vida normal, como se não estivéssemos convivendo com uma praga invisível; e existem montes das que acham arriscado frequentar locais públicos.

Pessoalmente, não vou a lugar algum. Não peço, mas prefiro um delivery seguro. Mesmo sabendo que a qualidade do produto não é a mesma de quando o pedido é presencial.

                Fazer comida em casa virou mania. Consequentemente, os supermercados estão com as vendas em alta. Apareceram dezenas de “professores” dando aulas pela internet. E muitos chefs renomados descobriram q podiam manter o contato com seus clientes através de “lives”. E muita gente está fazendo nome com receitinhas que encaixam no gosto popular.

                Ainda é cedo pra prever o futuro desse povo. Está caminhando para uma nova realidade: menos restaurantes – dezenas não vão reabrir – e os que sobreviverem terão de se adaptar ao mercado que vai se remodelando há cinco meses. Dono de restaurante que funciona em imóvel próprio tem uma grande vantagem sobre os que pagam aluguel e não vão faturar como antes. Até para sobreviver estes meses o sacrifício está sendo cruel.

                Pode ser que os governos estadual e federal ajudem com alguma coisa. Mas o estrago da pandemia tem uma amplitude que vai ser difícil de consertar.


Esse artigo não reflete necessariamente a opinião de MercadoComum