*

Ampliar os negócios para o mercado externo pode ser o caminho para empreendedores que enfrentam dificuldades na pandemia

Queda nas vendas, falta de linha de crédito para sanar as dívidas e a necessidade de investir em adaptações de produtos e serviços são alguns dos muitos desafios que os empreendedores têm que enfrentar para sobreviverem à crise causada pela pandemia do Covid-19. Com o novo normal, empresários estão buscando retomar os negócios, priorizando o mercado interno, quando poderiam aproveitar o momento para investir na internacionalização do seu negócio. O câmbio alto, por exemplo, pode ser uma vantagem para as empresas exportarem seus produtos ou serviços, atingindo novos mercados, utilizando tecnologias inovadoras e diminuindo riscos de sazonalidade. Para especialistas, a crise limita o espírito audacioso do empreendedor.

De acordo com o professor Renato Cotta de Mello, do Coppead/UFRJ, algumas dificuldades impedem que a classe empreendedora tome coragem e comece a buscar novos caminhos no mercado internacional. “Em geral, existe uma resistência porque eles não entendem outros idiomas e culturas e não seguem práticas de gestão internacional (como as certificações ISO), ou seja, ainda existe um desconhecimento grande. O que pode gerar insegurança para o empreendedor”, explica o professor, complementando que se os empresários continuarem a atuar apenas no mercado interno e sem inovação tendem a estacionar e não evoluir no médio e longo prazo, podendo, com isso, atrair concorrentes estrangeiros para o mercado doméstico.

O professor explica que ao tomar a decisão de internacionalizar a empresa, o empreendedor precisa buscar o apoio certo para inovar e adaptar a sua realidade às melhores práticas de gestão do mundo, tornando-se, assim, mais competitivo. “Entidades empresariais como Sebrae, Firjan, Fecomércio e Câmaras de Comércio oferecem programas e planos de ação que auxiliam a capacitação do empreendedor e, em alguns casos prestarem consultoria”, completa Mello.

O professor Renato Cotta de Mello aproveita para dar dicas aos empresários que desejam optar pela internacionalização. A primeira delas é diversificar mercados, ou seja, ao explorar novos mercados, os negócios não ficarão limitados às vendas apenas em território nacional, possibilitando uma diversificação em momentos de crise, que podem se tornar perenes quando o ambiente de negócios retornar à normalidade. A inovação passa a ser pauta fundamental para as estratégias da empresa, que assim precisa garantir competitividade e criar soluções. Ressalte-se que a inovação não se restringe somente ao produto, mas envolve outras áreas, tal como forma de comercialização e abordagem de venda.

Proporcionar economia de escala é o que vai possibilitar a empresa pode diminuir os preços dos produtos e lucrar ainda mais, já que o aumento da produção, tende a diminuir o custo unitário da fabricação. Segundo o professor, conhecer novos parceiros é mais uma dica e uma excelente oportunidade para realizar ações de benchmarking e conhecer outros processos. Por fim, o professor diz que ao atuar no mercado internacional o empreendedor aumenta sua credibilidade junto aos consumidores brasileiros”, conclui.