*

Objetivo é potencializar o uso de Inteligência Artificial e Internet das Coisas para aumentar a segurança e diminuir os impactos ambientais no setor

O Brasil é um dos maiores produtores de minerais do mundo. Investir em tecnologias mais seguras e sustentáveis para explorar os recursos naturais do país se apresenta como caminho à retomada econômica no pós-Covid. Em consonância com essa estratégia, a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII) e o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) firmaram, nesta quarta-feira (15), uma aliança estratégica para incentivar o desenvolvimento de PD&I no setor, sobretudo em tecnologias de alta complexidade como Inteligência Artificial, Big Data Analytics e Internet das Coisas (IoT). A assinatura ocorreu durante a abertura do e-mineração, evento online que debate os rumos da mineração no país.

A aliança vai aproximar a relação do setor com a rede de Unidades EMBRAPII, importantes centros de pesquisas no Brasil, e torná-la referência para atividades de pesquisa e inovação para toda a cadeia produtiva da área mineral. As Unidades EMBRAPII possuem competências que podem contribuir para superar os desafios tecnológicos das empresas com soluções em materiais avançados, química verde, reutilização de matérias primas e redução de uso de compostos tóxicos, entre outros.

“A indústria mineral brasileira tem agregado valor em novos produtos. Esse desenvolvimento tem sido obtido, em grande parte, por meio dos projetos desenvolvidos com a EMBRAPII: são mais de 100 projetos da área de Mineração, com dezenas de empresas do setor, que correspondem a um investimento de R$ 200 milhões. O acordo entre EMBRAPII e IBRAM vai potencializar a capacidade inovativa do setor no país ao aproximá-lo de equipe de pesquisadores altamente qualificadas das Unidades EMBRAPII”, destaca o diretor-presidente da EMBRAPII, Jorge Guimarães.

“O acordo de cooperação com a EMBRAPII irá proporcionar a ampliação dos já expressivos investimentos em inovação tecnológica por parte da indústria da mineração brasileira. Esta é uma das formas de os brasileiros acompanharem a evolução da mineração exercida no país”, diz Flávio Penido, diretor-presidente do IBRAM.

A EMBRAPII também oferece às empresas brasileiras a oportunidade de fazer parcerias internacionais. Encontram-se abertas várias chamadas, entre as quais a parceria com a Suécia, que conta com a área de Mineração como uma das cinco áreas prioritárias a serem exploradas. Ainda no tema da Mineração, a EMBRAPII encontra-se em negociação com entidades do Canadá, visando outras possibilidades de parcerias internacionais para o setor

EMBRAPII no e-mineração – O evento online reúne lideranças, autoridades, gestores e especialistas do setor mineral brasileiro, entre elas, o diretor de Planejamento da EMBRAPII, José Luis Gordon, no debate “Inovação aplicada à mineração: desafios e oportunidades”. O presidente da CBMM, Eduardo Ribeiro, e a diretora executiva da Mining Hug, Cláudia Diniz, também participam, além da mediação do diretor da CETEM, Fernando Links.

Cinco Unidades EMBRAPII selecionadas de acordo com projetos na área de mineração, logística, transporte e materiais apresentam potenciais soluções tecnológicas em um pitch com empresas do setor. São elas: Tecnogreen/USP; Poli/USP, Senai/Cimatec, DCC/UMG e IPT Materiais. A proposta é favorecer a geração de negócios e de projetos de PD&I para desenvolvimento de novos produtos e processos industriais. A EMBRAPII financia até um terço do valor do projeto com recursos não reembolsáveis, o restante é dividido entre a empresa e a Unidade EMBRAPII.

Assembleias virtuais: os desafios impostos pela pandemia