De acordo com o Banco Central, o setor público consolidado não-financeiro (exclusive Petrobras e Grupo Eletrobras) registrou, em abril, déficit primário de R$ 94,3 bilhões, sendo -R$ 92,2 bilhões do Governo Central, -R$ 1,9 bilhões dos governos regionais e -R$ 0,2 bilhão das empresas estatais.

No acumulado em 12 meses, o déficit primário consolidado atingiu R$ 164,4 bilhões (2,25 % do PIB).

Os juros nominais, incorridos no mês, foram de R$ 21,5 bilhões, incluída a despesa de R$ 8,3 bilhões com as operações de swap cambial do Banco Central. Assim, a conta de juros acumulada em 12 meses ficou em R$ 381,3 bilhões (5,3% do PIB).

Desta forma, o resultado nominal foi -R$ 115,8 bilhões em abril e -R$ 545,7 bilhões em 12 meses (déficit equivalente a 7,5% do PIB).

A dívida líquida do setor público atingiu R$ 3.845,3 bilhões (52,7% do PIB) em abril, alta de 1,0 p.p em relação do mês anterior. A dívida bruta do governo geral, por sua vez, totalizou R$ 5.817,9 bilhões (79,7% do PIB), alta de 1,3 p.p em relação ao mês anterior.