A redução da Selic, para 3,0% ao ano já era esperada pelo mercado. Ao lançar mão da medida, o Banco Central tem como objetivo intensificar a redução do custo do crédito por meio do arrefecimento dos juros. “Na minha visão três fatores justificam a nova redução: o fraco desempenho da atividade econômica brasileira, a inflação doméstica baixa e a onda deflacionária global. Desde julho de 2019, o BC reduz continuamente a Selic, porém, nos dois últimos cortes ocorridos em fevereiro e março deste ano, a expansão monetária não foi sentida pelo mercado”, comentou Aguinaldo Diniz Filho, presidente da ACMinas.

Outro fator que temos que levar em conta é a pandemia mundial do Corona Vírus. “A não ampliação do mercado creditício dificulta a captação de recursos financeiros pelas empresas, que neste contexto de crise econômica e de isolamento social registram uma redução drástica de faturamento. Este arrefecimento das receitas eleva a demanda por financiamento de capital de giro – recurso necessário para a manutenção das atividades das empresas e, principalmente, dos postos de trabalho”,