O surto de coronavírus (Covid-19) é uma ameaça global sem precedentes que provavelmente resultará em mudanças de longo prazo no modo como pensamos, trabalhamos e vivemos – com implicações para investidores. Diante de tal cenário, o Credit Suisse acaba de publicar sua atualização anual das Supertrends, sua base para investimentos temáticos – de alta convicção e longo prazo – em ações. Embora a pandemia de Covid-19 tenha prejudicado a economia global, a última atualização reconfirmou os principais aspectos das cinco tendências de investimento originais. Além disso, foi adicionada uma sexta tendência que aborda mudanças climáticas.

Lançadas há três anos, as Supertrends do Credit Suisse se concentram em tendências sociais de vários anos que, acredita-se, devem trazer oportunidades de negócio de rápido crescimento. Cada uma das tendências de investimento identifica oportunidades que, espera-se, devem ter desempenho superior em decorrência dessas mudanças. Dito isso, as principais questões sociais, políticas, econômicas e ambientais que elas abrangem estão em contínuo movimento; e o relatório de hoje, que traz as Supertrends atualizadas, contempla também as mudanças ocasionadas pela pandemia de Covid-19.

“O nosso cotidiano foi sendo lentamente paralisado em virtude da pandemia. Essa crise está desafiando os sistemas e as estruturas existentes e plantando as sementes de outras mudanças futuras, conforme desvendamos as limitações na forma como aprendemos, trabalhamos e vivemos. Nossas Supertrends continuam evoluindo junto com o mundo dinâmico que nos rodeia, e nós acreditamos que continuarão sendo temas de investimento interessantes para o momento presente e para o futuro”, explica Michael Strobaek, CIO global do Credit Suisse.

Estas são as tendências atualizadas de investimento de longo prazo, apresentadas pela primeira vez em 2017

  • A Supertrend “Mudanças climáticas – descarbonização da economia” se baseia na tese de investimento atinente às empresas que contribuírem mais eficientemente para a transição para uma economia mundial em que haja menor emissão de carbono. O recente fechamento da economia causado pela pandemia de Covid-19 reduziu substancialmente as emissões de gases de efeito estufa geradas pelo homem em diversas regiões – isso mostra claramente o que pode ser alcançado no futuro com a criação de uma economia global mais sustentável e com emissão zero de carbono. Estes são os principais setores nos quais essa tendência de investimento se concentra: produção de eletricidade com emissão zero de carbono, transporte, pioneiros na transformação do setor de petróleo e gás e agricultura / produção de alimentos.
  • A Supertrend “Sociedades ansiosas – capitalismo inclusivo” reflete o fato de que o descontentamento popular está agora se voltando mais claramente para questões locais, principalmente a desigualdade, do que para supostas ameaças externas e um movimento na direção do protecionismo. A raiva agora perdeu espaço para a ansiedade. Com um índice recém-criado, o Credit Suisse monitora se a ansiedade está aumentando ou diminuindo. A pandemia de Covid-19 mostrou que as ameaças emergentes reais são globais e exigem cooperação multilateral, bem como proteção individual.
  • “Economia grisalha – investir no envelhecimento da população”: O envelhecimento da população provavelmente continuará impulsionando oportunidades de negócio e o desempenho dos investimentos por vários anos ainda. Em particular, o envelhecimento da população em mercados emergentes ocorrerá a uma velocidade ainda não percebida pela maioria.

    “Infraestrutura – fechando a lacuna”: Os gastos com infraestrutura continuam prestes a entrar em uma fase de expansão. Existem lacunas em todos os lugares, à medida que as velhas economias lutam para atender às necessidades atuais e novas, avançando na direção de uma maior sustentabilidade. Ao mesmo tempo, as novas economias continuam se urbanizando em ritmo acelerado. A expectativa de manutenção dos juros em um nível mais baixo (e até mesmo negativo em alguns momentos) por um longo período deve oferecer o incentivo certo para os investimentos. Como a preocupação climática tem atraído ampla atenção pública, fortes catalisadores nas esferas regulatória e política devem aumentar o dinamismo desse tema.

    “Tecnologia a serviço das pessoas”: As contínuas inovações tecnológicas e os desafios expostos pela crise do coronavírus mantêm a atratividade do setor de tecnologia para investidores. Os fatores determinantes desse tema de investimento – em termos de demanda e de progresso tecnológico – continuam robustos, e as empresas das áreas de foco desse tema devem beneficiar-se nos próximos anos.

  • Sustentabilidade continua sendo um tema-chave para os “Valores da geração do milênio”, incluindo o consumo responsável; e nós aplicamos as práticas ambientais, sociais e de governança como um critério adicional a toda a seleção de ações. Como a saúde também passou a figurar no topo das prioridades da geração do milênio, existe uma crescente demanda por alimentos saudáveis e sustentáveis: a dieta planetária. Por isso, juntamente com a transição para uma economia circular, incorporamos alimentos sustentáveis neste tópico de investimento.

    Credit Suisse AG é uma das principais prestadoras de serviços financeiros do mundo e faz parte do Grupo Credit Suisse (“Credit Suisse”). Nossa estratégia está fundamentada nos principais pontos fortes do Credit Suisse: sua posição de líder em gestão de fortunas, suas capacidades especializadas de banco de investimentos e sua forte presença em nosso mercado original: a Suíça. Buscamos adotar um enfoque equilibrado em gestão de fortunas para aproveitar o amplo pool de grandes patrimônios nos mercados maduros, bem como a significativa expansão da classe de alta renda na região da Ásia-Pacífico e em outros mercados emergentes, ao mesmo tempo em que atendemos importantes mercados desenvolvidos com ênfase na Suíça. O Credit Suisse emprega cerca de 48.500 pessoas. As ações nominativas (CSGN) da matriz do Credit Suisse AG, Credit Suisse Group AG, estão listadas na Suíça e, na forma de American Depositary Shares (CS), em Nova York