Soja se destaca em primeiro no faturamento com R$ 160 bi, milho em segundo – R$ 76 bi, na sequência cana-de-açúcar – R$ 62 bi, algodão em quarto – R$ 42 bi

O Valor Bruto da Produção – VBP total das lavouras brasileiras em 2020 deverá atingir o montante de R$ 453,36 bilhões, valor que foi calculado com base no volume produzido e nos preços médios recebidos pelos produtores dos 21 principais produtos agrícolas pesquisados, tendo como referência dados e estimativas agrícolas do mês de março do corrente ano.

Com  base  nos  dados  desta  pesquisa  do  VBP,  se  for  estabelecido  um  ranking  dos  cinco  produtos agrícolas,   exclusivamente   das   lavouras,   que   apresentaram   maior   faturamento,   constata-se   o seguinte: a  soja  figura  em  primeiro  lugar,  com  R$  159,20  bilhões,  que  equivalem  a  35%  do faturamento total; em segundo, destaca-se o milho, com R$ 76,17 bilhões, receita que corresponde a 17% do VBP total; em terceiro lugar vem a cana-de-açúcar, com R$ 62,02 bilhões de faturamento, montante que equivale a 14% da receita total apurada.

Na sequência deste ranking, em quarto colocado, vem o algodão herbáceo, cujo faturamento bruto de  suas  lavouras  está  estimado  em  R$  42,03 bilhões,  montante  que  corresponde  a  9,3%  do  VBP nacional. E, na quinta colocação, destacam-se os Cafés do Brasil com receita prevista de R$ 26,62 bilhões, os quais equivalem a 5,9% do total que será arrecadado com as lavouras em 2020.

Os dados e números que permitiram realizar esta análise, ora em destaque, além de muitas outras que também poderão ser elaboradas sobre a performance da produção e receita dos

Cafés do Brasil, foram obtidos do Valor Bruto da Produção – VBP, estudo que é elaborado e divulgado  mensalmente  pela  Secretaria  de  Política  Agrícola  –  SPA,  do  Ministério  da Agricultura  Pecuária  e  Abastecimento  – Mapa.  Nesse  contexto  cumpre  esclarecer  que  as edições de tal estudo, a partir de julho de 2014, passaram a ser disponibilizadas na íntegra no Observatório do Café do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

(Os artigos e comentários não representam, necessariamente, a opinião desta publicação; a responsabilidade é do autor da mensagem)