Fabricantes brasileiros que colocam parte da produção nos Estados Unidos devem ganhar os selos “made in U.S” (fabricado nos EUA), “Assembled in U.S” (montado nos EUA) ou “Distributed in U.S” (Distribuído nos EUA). Entre os benefícios dos selos estão a maior competitividade do produto no mercado internacional e o ganho em dólar. americanos.

O atual cenário econômico nos Estados Unidos está muito mais atrativo para industriais e pequenos empreendedores brasileiros. Com crescimento acima da média e o menor desemprego dos últimos 50 anos, o país norte-americano segue de portas abertas para industriais e empreendedores mais audaciosos que desejam internacionalizar seus produtos. É o que acredita a brasileira, radicada nos Estados Unidos, Lyla Chirico. Ela atua há mais de 15 anos como contadora e especialista em negócios no território norte-americano.

A especialista, que dirige o escritório Elo Enterprises – fundado em 2004 e especializado no suporte de empreendedores estrangeiros nos Estados Unidos -, afirma ter aumentado o número de industriais e pequenos empreendedores brasileiros que estão em busca de informações sobre como ingressar com seus produtos no competitivo mercado internacional.

“Notamos em 2019, um aumento considerável na procura por auxílio na internacionalização de produtos, inclusive manufaturados brasileiros aqui para os Estados Unidos. O empreendedor brasileiro que acredita no potencial do seu produto, pode, muitas vezes, se colocar parte da operação aqui no território americano, ganhar os selos de ‘fabricado, montado ou distribuído nos Estados Unidos’, isso garante maior potencial na hora de ingressar o produto aqui no mercado americano e também internacionalmente”, observa.

Lyla Chirico conta que algumas cidades americanas oferecem vantagens atraentes para empreendedores brasileiros. De acordo com ela, a depender do perfil do negócio, há possibilidade de ganhar benefícios, inclusive fiscais, em cidades da Flórida, por exemplo, e também em outros estados americanos.

“É preciso contar com um processo de consultoria qualificado para identificar o perfil do negócio e apresentar ao empreendedor as cidades que mais e melhor acomodam sua estratégia empreendedora aqui nos Estados Unidos. Quem decide trilhar este caminho sozinho tem sido vítima de grandes prejuízos, muitas vezes, irreversíveis do ponto de vista financeiro”, alerta a especialista.

Dentro da Legalidade

Quem pretende apostar no mercado americano precisa ter atenção redobrada com a prática fiscal do país. Para Lyla Chirico, há muita desinformação circulando na internet com relação a abertura e gestão de empresas no território americano. Conforme ela, é preciso evitar se inspirar em conselhos de amigos e familiares que já residem no país.

“Não há fórmula mágica que sirva a todos de maneira generalizada. Os brasileiros tendem a se deixar influenciar por conselhos e menos por análise técnica ao chegar aqui nos Estados Unidos. Isso é um erro fatal. Muitos não sabem sequer as diferenças entre os tipos de empresas possíveis nos Estados Unidos, ou como funciona a contratação de pessoal, bem menos burocrática que no Brasil, aqui. Pequenos erros podem gerar desde prejuízos menores até complicações mais sérias no futuro”, observa a especialista.