Considerado o governador mais popular do país, Romeu Zema tem o desafio de fazer o Estado crescer, diversificar a economia e dar reajuste aos servidores sem comprometer o futuro acordo financeiro com o governo federal. Para ele, 2020 será o ano da recuperação fiscal, das reformas e de mudanças estruturais para Minas Gerais. Nesta entrevista exclusiva a MercadoComum, ele garante que o Estado não deixará de aderir ao Regime de Recuperação Fiscal, mesmo com a proposta de reajuste. 

1- Apesar das enormes dificuldades enfrentadas no governo de Minas, recente pesquisa de opinião revela que Romeu Zema lidera como o governador mais popular do país. Quais são os seus comentários sobre esta pesquisa e suas prováveis justificativas?

A conclusão da referida pesquisa mostra que estamos cumprindo com o compromisso de fazer uma gestão cada dia mais transparente para a população. Além da entrega de resultados significativos em várias áreas, como redução de gastos públicos e cargos comissionados, crescimento de postos de trabalho, aumento da confiança e da atração de investimentos e queda dos índices de criminalidade, entre outras ações, nossa gestão busca ouvir, entender as reais necessidades das pessoas e interagir com os cidadãos de todas as regiões do estado.  As redes sociais do Governo são canais para levar a informação real, mas, sobretudo, para promover o envolvimento dos mineiros e para que o trabalho e as dificuldades da administração pública cheguem ao conhecimento de todos.

2 – A história econômica tem mostrado que quando a economia brasileira ia bem a de Minas costumava ir melhor. Mas quando a economia apresentava-se ruim, a de Minas ia sempre pior. Agora, nesta equação econômica, também se soma a questão do rompimento das barragens e a paralisação de parte das atividades de algumas mineradoras, além da crise forte fiscal e elevado endividamento do Estado de Minas Gerais – e que não é culpa deste governo. O que está sendo feito para minorar esse quadro e para que a economia de Minas volte a crescer?

Minas Gerais tem grande potencial para contribuir com o desenvolvimento e alavancar a economia do país. Nesse sentido, bons índices econômicos do estado tendem a gerar um impacto positivo para o Brasil. Por outro lado, uma crise financeira severa, como a que atinge o estado, acaba refletindo negativamente. Porém, apesar do déficit de R$ 34,5 bilhões herdado da gestão anterior e das dificuldades encontradas por mim e minha equipe, conseguimos alcançar resultados importantes. Exemplo disso é a atração recorde de R$ 55 bilhões em investimentos alcançados no ano passado, o dobro dos valores atraídos nos últimos quatro anos (2015 a 2019). Com a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, a recuperação econômica será mais rápida. Vale lembrar que desde o início da minha gestão, o objetivo foi o de retomar a capacidade de crescimento de Minas. Começamos deixando o estado mais eficiente com a Reforma Administrativa, com medidas que nos garantem uma economia anual de R$ 150 milhões.

3- Uma outra característica da economia de Minas é a sua alta concentração industrial e baixa agregação de valor a seus produtos. O que tem sido feito para reverter essa situação?

Nós queremos incentivar a diversidade e o fortalecimento da economia, para torná-la mais competitiva de forma integrada e sustentável. Estamos fazendo isso promovendo a verticalização das cadeias produtivas, com inovação tecnológica, de modo a agregar mais valor aos produtos. Esse é o principal objetivo do Programa Minas + Gerais, que está previsto no Plano Plurianual de Ação Governamental, para 2020 a 2023. O principal objetivo é fomentar atividades inovadoras e de maior valor agregado.

Com muito trabalho, nosso governo retomou a confiança do mercado, atraindo olhares de grandes companhias. Fiat, Ambev e Azul Linhas Aéreas são algumas empresas que aumentaram os aportes no estado. Também atraímos outras fábricas de cervejas, laticínios e indústrias químicas, além de projetos voltados para energia. Outro exemplo foi a chegada em Minas Gerais da primeira unidade fabril no Hemisfério Sul da Boston Scientific, empresa norte-americana de soluções médicas. A instalação da fábrica, em Contagem, criou 600 empregos no estado e teve investimentos próprios de US$ 32 milhões. Prova de que estamos avançando na diversificação da economia.

4- Na sua avaliação quais são, atualmente, as principais motivações para um investimento produtivo vir para Minas Gerais e não para outros estados em condições melhores e com fartura de incentivos fiscais?

A minha gestão lançou, em dezembro, o programa Minas Livre Para Crescer. É o programa da Liberdade econômica do estado. Com isso, nós diminuímos as burocracias e os custos para quem quer empreender, simplificando a vida de quem investe e criando mais empregos. Seguimos trabalhando para oferecer condições cada vez mais atrativas e favoráveis. Destacamos a transparência na análise dos projetos e da concessão de benefícios fiscais. Além disso, não podemos esquecer que Minas Gerais foi reconhecido como o estado com a melhor administração tributária do país. O trabalho desenvolvido em conjunto pelas equipes das Secretarias de Fazenda, de Desenvolvimento Econômico e do Indi no apoio aos investidores tem feito toda a diferença. O Indi inclusive foi eleito como nova sede da Diretoria Regional para a América do Sul da Associação Mundial das Agências de Promoção de Investimentos, o que mostra que estamos no caminho certo.

5 – Como tem sido o relacionamento da sua administração, em nível político e econômico, com o governo de Jair Bolsonaro?

Considero manter um relacionamento saudável com o Governo do presidente Bolsonaro extremamente importante para o Estado de Minas Gerais. Um estado não caminha isolado. Então temos que estar sempre abertos a amplas discussões e levar as necessidades de Minas ao Governo Federal. Da mesma forma, prestamos a nossa contribuição para o desenvolvimento econômico do país.

 6- O recente projeto de lei encaminhado à Assembleia Legislativa majorando os salários da categoria dos militares civis e militares de Minas pode redundar num empecilho e contaminar um eventual acordo de Minas com a União para aderir ao Regime de Recuperação Fiscal?

É importante esclarecer que não se trata de aumento, mas de uma recomposição inflacionária, já que as Forças de Segurança estão, desde 2015, sem reajuste. Ademais, a comparação média salarial das Forças de Segurança de Minas com outros estados nos coloca na 14ª posição entre os 27 entes federados. Vale ainda ressaltar que as Forças conseguiram reduzir todos os indicadores de criminalidade. Entendemos que é preciso alicerçar as bases para o desenvolvimento econômico do Estado. Apenas com condições melhores, será possível atrair investimentos, gerando emprego e renda para a população. Quando se tem segurança pública de qualidade, é instaurado um ambiente saudável para a atração de novos negócios e a expansão dos já existentes. Reforço que o problema do Estado de Minas Gerais é estrutural, e somente reformas profundas podem nos tirar da grave crise financeira que nos encontramos. Por isso, seguimos firme no propósito de aderir ao Regime de Recuperação Fiscal.

 7- Como o sr. governador avalia as próximas questões municipais de outubro próximo e qual será a sua participação?

Como governador e como cidadão, a minha torcida é para que sejam eleitas pessoas realmente comprometidas com o serviço público e que exerçam a gestão de maneira efetiva e benéfica para a população.

 8- O público de MercadoComum é constituído, notoriamente, por formadores de opinião pública. Que recado o senhor daria para eles com relação às perspectivas futuras de Minas?

Agradeço a oportunidade desse espaço na revista. E peço aos leitores que acompanhem a nossa atuação em todas as regiões do estado, porque vamos continuar apresentando bons resultados e boas perspectivas. Aos poucos, com responsabilidade, estamos vencendo as dificuldades para recuperar Minas Gerais. Já conseguimos conquistas importantes e estou otimista. O ano de 2020 será o ano da recuperação fiscal, de reformas e de mudanças estruturais. Faremos isso com uma ampla discussão com a população e com os deputados mineiros. Podem ter a certeza de que temos uma equipe altamente qualificada que trabalha dia e noite com o propósito de resgatar Minas Gerais.