*

Além da sua saúde física, qual atenção você dedica à saúde mental? O início do semestre costuma ser um convite para refletir sobre hábitos, o que fazer diferente, como renovar e evoluir nas áreas pessoal e profissional. A consultora de carreiras e coordenadora da Clínica-Escola de Psicologia da Newton, Fernanda Abreu, defende a necessidade de cuidar da saúde de forma integral, incluindo a mente e as emoções.

Para a psicóloga, o estímulo à cultura da saúde mental, além de desenvolver uma sociedade sadia, é importante para desconstruir estereótipos. “Estamos em pleno ano de 2020 e ainda existe muita resistência e pouca compreensão em relação ao tema. Durante muito tempo, ir ao psiquiatra ou ao psicólogo era visto com olhar de preconceito e estigmatização. As pessoas tinham vergonha e medo de falar que tinham algum transtorno psiquiátrico, ou simplesmente que cuidavam da sua saúde mental e emocional indo à terapia, por exemplo. Eram tidas como loucas, dementes ou incapazes e eram excluídas e discriminadas.  Isso causou muitos danos a muita gente ao longo da história. O processo de reforma psiquiátrica no Brasil foi fundado no final dos anos 70 e desde então esse processo tem sido marcado por inúmeros desafios, mas proporcionou grandes avanços, garantia de direitos e quebra de tabus”, analisa.

Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) revelam números alarmantes sobre o índice de brasileiros com depressão e transtornos de ansiedade. Cerca de 12 milhões de pessoas sofrem de depressão. O número corresponde a maior taxa da América Latina e a segunda maior das Américas, atrás somente dos Estados Unidos. A ansiedade afeta 19,4 milhões de brasileiros e é responsável por fazer com que o Brasil ocupe o primeiro lugar entre os países mais ansiosos do mundo. Fobia, transtorno obsessivo-compulsivo, estresse pós-traumático e ataque de pânico fazem parte de transtornos relacionados à ansiedade. Fernanda Abreu observa que, em atendimentos clínicos, são frequentes casos de transtorno de ansiedade generalizada, transtorno do pânico, depressão e ideação suicida.

Diante dos números, Abreu pontua a importância de incluir, socialmente, o cuidado à saúde mental. “É preciso empreender esforços para promover continuamente a inclusão em um mundo onde a exclusão infelizmente ainda existe. Incentivar uma cultura da saúde mental significa também gerar na sociedade uma cultura que valoriza a paz, a liberdade e o respeito às diferenças. O que se espera criando uma cultura da saúde mental é que essa seja uma reflexão presente na rotina de todos, independentemente do mês”, reflete. A campanha Janeiro Branco, por exemplo, inaugurou o ano com o convite a toda população a refletir, diariamente, sobre comportamentos, emoções, qualidade dos relacionamentos sociais e sobre o valor da cultura da saúde mental.

A psicóloga compartilha algumas recomendações interessantes para contribuir com a saúde mental e emocional. Confira:

Durma bem: o sono alimenta a produção de proteínas que contribuem com o aprendizado e a memória.

Beba água e cuide da sua alimentação: fazer escolhas alimentares saudáveis ajuda a equilibrar vitaminas e nutrientes importantes para a saúde.

Pratique atividades físicas e tenha momentos de lazer: alegria e bem-estar são fundamentais para o funcionamento da nossa mente.

Procure apoio psicológico sempre que sentir necessidade: a psicoterapia pode ser um bom caminho para buscar autoconhecimento.

 A Clínica-Escola de Psicologia da Newton oferece, gratuitamente, à população os serviços de psicoterapia, orientação profissional e de carreira, psicodiagnóstico e plantão psicológico.  A clínica fica localizada no campus Silva Lobo da Newton (Avenida Silva Lobo, 1718, Nova Granada). O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, de 8h às 21h e, aos sábados, de 8h às 12h. O agendamento de consultas pode ser feito por telefone, por meio dos números 3516-2666 ou 2669, ou pessoalmente.