*

A ADCE-MG homenageia, anualmente, por meio do Prêmio ADCE Minas de Responsabilidade Social Empresarial, um empresário que seja exemplo por sua atuação social responsável.

O homenageado na 8ª edição do prêmio foi o sócio e conselheiro do Grupo Ápia, José Guido Figueiredo Neves. A solenidade ocorreu durante jantar de fim de ano da entidade, em 4 de dezembro, no restaurante Abbraccio – PIC Cidade (Rua Cláudio Manoel, 1185 – Funcionários, BH).

O empresário é ex-presidente e conselheiro do Sindicato da Indústria da Construção Pesada no estado de Minas Gerais (Sicepot-MG); sócio-fundador, ex-presidente e conselheiro da ADCE-MG; fundador e ex-presidente do Brechó da Construção. O grupo Ápia é formado pela Construtora Ápia e Ápia Edificações e Empreendimentos, e está presente em todo o Brasil com grandes realizações.

Durante o jantar de confraternização, o presidente da ADCE-MG, Sérgio Frade, saudou o público presente composto por associados, empresários, líderes religiosos e políticos. Ele destacou que o prêmio é uma oportunidade de reconhecer a trajetória de empresários que são exemplo de boas práticas e cujas empresas têm nos valores cristãos um guia, sem se esquecer do negócio. “Vivemos uma sociedade desafiadora, especialmente a empresarial. Apesar de toda essa competição existente, entendemos que ela só é possível – mesmo em uma economia liberal – com responsabilidade social. Nessa relação, precisa ganhar todo mundo: empresários, colaboradores, famílias dos colaboradores e a sociedade”, frisou.

Por sua vez, José Guido Figueiredo Neves, 86, em seu discurso, fez uma retrospectiva da sua vida pessoal e profissional. Na presença de filhos, parentes e amigos, ele destacou, entre outros pontos, seu trabalho de refundação da ADCE-MG na década de 1980. Para ele, a grande lição que ficou da sua vida e da experiência com a entidade é que deve-se ser sempre socialmente responsável nos negócios. “Pois, a partir de nossos valores podemos gerar mais valor. E que temos que lutar todos, sempre por um crescimento maior da representatividade da nossa ADCE, principalmente no mundo atual que está caminhando perigosamente para radicalizações políticas, sociais e religiosas”, ponderou.