A economia brasileira está dando, efetivamente, sinais de recuperação e de retomada do crescimento econômico. A prova mais cabal desta evidência foi dada, no dia 24 de janeiro último, com a divulgação que o mercado de trabalho brasileiro criou 644.079 empregos com carteira assinada em 2019, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED, pelo Ministério da Economia.

O número divulgado pelo CAGED revela que esta é a maior abertura de vagas formais no País desde 2013. O saldo de 2019 foi resultado de 16,197,094 admissões e 15.553.015 demissões ao longo do ano. Em 2018 – ainda no governo Michel Temer, o saldo já havia sido positivo em 529.554 postos de trabalho.

A criação de novos empregos com carteira assinada no ano passado deu-se em função do desempenho dos setores de serviços e comércio, embora todos os demais setores da economia contabilizaram resultados positivos.

O setor de serviços gerou 382.525 vagas seguido pelo comércio, com a abertura de 145.475 postos de trabalho no ano. A construção civil abriu 71.115 vagas, seguida pela indústria de transformação – 18.341 vagas; agropecuária 14.366 vagas, serviços industriais de utilidade pública 6.430 vagas; extração mineral – 5.005 vagas e administração pública – 822 vagas.

Em dezembro último houve fechamento de 307.311 vagas com carteira assinada – provocando uma interrupção na sequência de oito meses consecutivos de saldo positivo no CAGED – resultado esse considerado usual para o período, quando ocorrem demissão de trabalhadores contratados temporariamente para atender à demanda de fim de ano. Ainda assim, esse resultado pode ser considerado o melhor para o mês de dezembro desde 2005.