Considerada uma das maiores empresas de medicina diagnóstica do país, o Grupo Pardini completou 60 anos de atuação em um segmento bastante competitivo. Como tem sido a condução desta trajetória?

Chegamos aos 60 anos orgulhosos das nossas conquistas. Nosso grupo está entre os maiores e mais respeitados players de Medicina Diagnóstica do país. Somos 12 empresas, mais de 6 mil colaboradores, atuamos em todos os estados brasileiros. Somos pautados pela constante busca por inovação e tecnologia que gere valor para o cliente, seja o paciente ou o laboratório parceiro.

Os últimos anos, especialmente, foram dedicados à expansão de mercado e ampliação de portfólio especializado. Chegamos ao Rio de Janeiro e São Paulo, com unidades próprias, e requalificamos as lojas de Belo Horizonte. Estamos potencializando nossa atuação no segmento de apoio a laboratórios parceiros (lab-to-lab). Chegamos a realizar mais de 8 milhões de testes em apenas um mês, recorde absoluto no mercado nacional. Vale destacar que as aquisições dos últimos anos também fortaleceram o Grupo com a oferta de serviços diferenciados e que ampliaram nossa expertise, movimento extremamente importante para nossa estratégia de expansão.

Destaco, ainda, os nossos investimentos constantes em pesquisa e desenvolvimento. Contamos com uma equipe inspirada na essência pioneira e inovadora da Companhia, que trabalha incansavelmente para a descoberta de novas possibilidades para a medicina diagnóstica. Em 2016, por exemplo, fomos o primeiro laboratório brasileiro a disponibilizar um exame de detecção do vírus da Zika, em meio a um surto que tomava conta do País. Tudo isso contribuiu significativamente para a construção de uma empresa ainda mais rentável e competitiva.

Agora estamos prestes a colocar em funcionamento um projeto pioneiro – o maior e mais ousado já realizado nesses 60 anos. Vamos trabalhar com a maior plataforma de automação laboratorial do mundo, que vai praticamente dobrar nossa a capacidade produtiva. Iniciaremos um novo modelo produtivo e de negócio que ressignifica a relação com grandes fornecedores e garante aos clientes acesso ao que há de mais moderno em tecnologia e automação para processamento e análise de exames. É com o desafio de seguirmos sendo referência, que continuaremos trabalhando para manter o Grupo Pardini entre as empresas mais sólidas do mercado, liderando as transformações do nosso segmento com rigor técnico e responsabilidade, sempre respeitando os pilares de nossa marca: medicina, saúde e bem-estar.

O Grupo Pardini foi pioneiro no Brasil na montagem do Núcleo Tecnológico Operacional (NTO), localizado em Vespasiano, próximo ao BH International Airport, um dos principais hubs aéreos do país. Como isso contribuiu para a competitividade das operações e para o ganho de receita da empresa?

Os investimentos em tecnologia e logística foram e são fundamentais para nossa competitividade, expansão e lucratividade. Em 2010, inauguramos o Núcleo Técnico Operacional (NTO), estrategicamente localizado próximo ao Aeroporto de Confins. Aqui recebemos milhões de amostras todos os meses, vindas de todos os estados brasileiros. A localização próxima ao aeroporto permite que 70% dos resultados sejam liberados aos clientes em até 24 horas, em qualquer parte do Brasil.

Qual é a atual composição acionária do Grupo Pardini? Como são tomadas as decisões mais estratégicas?

Em fevereiro de 2017 realizamos a nossa abertura de capital (IPO), com enorme sucesso. Cerca de 65% das ações da Companhia estão com a família Pardini, e das demais com cerca de 3 mil acionistas minoritários. Temos um conselho e administração atuante, formado por cinco membros, incluindo a família e conselheiros independentes. A diretoria executiva é ocupada por executivos do mercado, parte dela, como é o meu caso, está na companhia há muitos anos.

Como funciona a logística que permite o atendimento a todo o Brasil na área de medicina diagnóstica?

A companhia tem como propósito levar o que há de mais moderno em tecnologia em saúde para quem precisa, onde estiver. Além do NTO, próximo ao aeroporto, temos outros seis Núcleos Técnicos Avançados, em BH, São Paulo, Rio de Janeiro, São Paulo, Goiânia e Itajaí. Diariamente, são mais de 91 mil quilômetros percorridos, por terra, o equivalente a 2,3 voltas ao mundo, em 290 rotas, sem contar o suporte aéreo e marítimo para o transporte de amostras. Temos 104 pontos de apoio logístico e todo o Brasil. Em menos de 14 horas, 90% das amostras saem de um pequeno município na região Norte, por exemplo, e chega em nossas plantas produtivas.

Como está a implantação do projeto Enterprise, que irá dobrar a capacidade de produção de exames, podendo alcançar 160 milhões de testes a cada ano?

O Enterprise é, certamente, o maior projeto da história da companhia e um dos mais relevantes para o segmento de medicina diagnóstica. É o resultado de anos de planejamento e estudos envolvendo dezenas de profissionais do Pardini e os maiores players mundiais de equipamentos, insumos e serviços. Mais do que consolidar nossa planta produtiva como a maior do mundo, nos orgulhamos porque o projeto mexe com toda a cadeia de suprimentos, logística, faturamento. É verdadeiramente uma transformação.

Organizados em ondas, novos fluxos foram e estão sendo implementados nas principais linhas de exames. É uma mudança estruturada. O movimento dentro da operação é muito grande. Estamos trocando praticamente toda a planta produtiva e isso sem parar, funcionando 24 horas por dia.

A proposta é agilizar, ainda mais, a emissão de resultados; dobrar a capacidade produtiva e obter melhoria na qualidade dos processos, assegurando ainda mais confiabilidade e segurança para clientes.

Queremos entregar 95% dos resultados de exames em até 6 horas. Graças ao incremento no nível de automação, poderemos entregar 82% dos resultados de exames de análises clínicas no prazo de 6 horas – hoje é 46%. Além disso, a possibilidade de monitorar, em tempo real, os fluxos e processos de todos os exames realizados no País traz mais conforto e segurança para toda a cadeia: médicos prescritores, laboratórios parceiros e pacientes.

Em 2018, o grupo apresentou faturamento de R$ 1,3 bilhão e realizou quase 93 milhões de exames. Qual é a previsão de resultados para 2019 e 2020?

Por sermos uma companhia de capital aberto, pertencente ao Novo Mercado, não podemos divulgar expectativas de números futuros. Mas posso garantir que estamos trabalhando muito para potencializar os resultados da companhia. Além da evolução nos segmentos Lab-to-Lab e nas unidades de atendimento (PSC), destaco o grande investimento que vem sendo feito na Medicina Personalizada e em toxicologia. Nos últimos anos, investimos mais de R$ 150 milhões na aquisição de empresas referência em suas especialidades. Estamos totalmente conectados ao futuro dos laboratórios.

Como o Hermes Pardini lida com a alta carga tributária presente em nosso Estado e no País?

A carga tributária é um problema nacional, sistêmico. É, claro, que se os impostos fossem menores teríamos mais vantagens – mas isso ainda é um sonho. Até que seja real, seguimos atentos e honrando nossos compromissos.

Há algum novo plano de investimentos previsto para os próximos anos? Qual?

Seguimos investindo fortemente na finalização do projeto Enterprise e na melhoria contínua no atendimento aos laboratórios parceiros do lab-to-lab. Em paralelo, também temos o desafio de seguir com os estudos e entregas da Medicina Personalizada, além dos testes relacionados a toxicologia forense e ocupacional. Estamos investindo fortemente em projetos de Tecnologia da Informação para otimizar processos, agregar sistemas e agilizar entregas.

Após o recente e triste falecimento do dr. Hermes Pardini, quais foram os ensinamentos deixados – e ainda utilizados – pelo seu fundador?

No DNA da companhia estão o empreendedorismo e o pioneirismo, palavras que resumem bem o legado do Dr. Hermes. Ele era um grande estudioso da área diagnóstica. Desde que se formou em Medicina, em 1958, dedicou sua vida às análises clínicas e ao laboratório. Processos que vemos agora como práticas comuns, como é o caso da automação laboratorial, já eram uma crença do Dr. Hermes, décadas atrás. Sua busca incessante pelo acesso ao diagnóstico fez bem a muitos pacientes e, claro, a seus negócios.

Há mais de uma década que Dr. Hermes não estava mais à frente dos negócios, mas sua história sempre foi uma grande inspiração. É louvável perceber que o nome de uma pessoa se tornou uma marca respeitada e admirada em todo o país. Nosso desafio é seguir com seu legado.