Está cada vez mais difícil para as livrarias conquistarem novos leitores. Além do Brasil já não ser tradicionalmente um país de leitores – a média nacional é de quatro livros por ano, segundo a pesquisa Retratos da Leitura -, o que não faltam são opções mais dinâmicas que concorrem com o hábito de ler livros: videogames, celulares, Netflix.

Para chamar atenção para uma prática que é crucial na formação cultural de uma sociedade e, de forma impressionante, vem caindo em desuso no país, livrarias tem utilizado estratégias variadas para atrair novos leitores e renovar o hábito daqueles que perderam costume.

Um exemplo é a Livraria Leitura, rede de livrarias com sede em Belo Horizonte, e que conta com que já conta com mais de 70 lojas e é líder em dez estados. A rede promove em suas lojas uma programação variada, que conta com lançamento de livros, encontros de leitores e contação de histórias.

Já para conquistar mesmo os clientes que não frequentam mais as lojas, a Livraria Leitura criou no primeiro semestre deste ano o Clube Leitura. Além da comodidade de receber os livros em casa, outro diferencial é que as obras são indicadas pelos consultores literários Menalton Braff, Ilan Brenman, Babi Dewet, Cris Correa, Márcio Fernandes, Daiana Garbin e Flavio Gomes. As assinaturas podem ser feitas pelo site www.clubeleitura.com.br e em todas as lojas físicas da rede, em todo o Brasil.

O Clube Leitura acredita que o hábito de ler é criado a partir do exemplo e apostou em um plano familiar, que contempla todas as faixas etárias, com o objetivo de envolver pais, mães, filhos e filhas em torno de um interesse em comum.

Para Menalton Braff, professor, contista, romancista e consultor do Clube Leitura, iniciativas como esta ajudam na formação de novos leitores. “Nunca se ouviu falar tanto em clubes de leitura em todo o Brasil. Não só em termos de assinatura, mas também grupos de discussão sobre as obras. Acredito que quem tem experiência em um tipo, também passa pelo outro. Acho que esta é uma das coisas que pode transformar o Brasil num país de leitores”, afirma.

“Ao criar o Clube Leitura, quisemos criar uma experiência que pudesse ser compartilhada por todos os integrantes da família, contribuindo para o desenvolvimento do prazer de ler em todas as gerações. Pretendemos, assim, potencializar todo tipo de vivência que um livro pode proporcionar: conhecer autores novos, expandir as fronteiras, os hábitos literários e até mesmo aproximar estas pessoas, por meio do compartilhamento do prazer de ler”, explica o gerente, Igor Mendes.

 

LIVRARIA LEITURA

Inaugurada em 1967 na Galeria do Ouvidor em Belo Horizonte vendendo livros novos e usados, a Livraria Leitura foi uma das primeiras do Brasil no conceito megastore, que consiste em lojas acima de 1.000 m² e grande variedade de produtos de cultura e entretenimento. Líder de mercado no ramo de livrarias em Minas Gerais, Centro-Oeste, Paraíba, Alagoas e Maranhão, a Leitura adotou uma audaciosa política de expansão que a colocou entre as maiores redes do Brasil e hoje conta com 70 pontos de venda em todo o país.

Hoje, as lojas são centros de cultura e entretenimento para toda a família. As megastores oferecem uma enorme variedade de produtos, chegando a 100 mil itens entre livros, revistas, filmes, música, games, informática, papelaria, jogos e presentes. Conta com espaços de entretenimento como cafés, ambientes para leitura, sessões de autógrafos e eventos culturais, se tornando ponto de encontro para um público altamente qualificado.