De acordo com a Rosenberg & Associados, “em dezembro último, o mercado de crédito mostrou uma maior resposta à queda da taxa de juros real ex ante, como pode ser visto nas taxas de juros de concessão de novos empréstimos, tanto a PJ quanto à PF. A inadimplência continua em queda ou em níveis bastante baixos, ao passo que a concessão com recursos livres dá sinais de expansão. O ritmo do mercado ao final do ano é animador para os prognósticos em relação a 2019.

Em 2018, o saldo total de crédito cresceu 1,8% em termos reais, primeiro ano de expansão após três quedas consecutivas (de 3,9% em 2015, 10,2% em 2016 e 2,2% em 2017). Há que se ressaltar a natureza desta recuperação, que é bastante focada em crédito livre, ao passo que o crédito direcionado, em especial à PJ, continua em retração (10,9% em 2018). Para 2019, a expectativa é de continuação deste movimento de crescimento focado em crédito livre, com o direcionado ainda em encolhimento.

O panorama para o crédito é de melhora. As condições financeiras estão mais favoráveis ao crédito livre, com queda das taxas reais de juros, bem como a perspectiva de melhora de confiança de consumidores/investidores, decorrente da redução das incertezas domésticas e externas. Isso já se reflete nas taxas de juros e, num ambiente de baixa inadimplência, deve se converter em concessões maiores”.