Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Recuo foi de 3,5 pontos entre março e abril

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) de Minas Gerais divulgado no dia 19 de abril, pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) recuou 3,5 pontos entre março e abril (53,0 pontos), apontando queda da confiança do empresariado.
 
“A Confiança dos empresários mineiros recuou em abril, com índice de 53,0 pontos. Mas, apesar da queda em relação a março, o ICEI foi o mais elevado para abril nos últimos seis anos,” comenta a economista do Sistema FIEMG, Annelise Fonseca. Ela ainda completa, “o recuo no ICEI decorreu da piora da percepção dos empresários com relação às condições atuais de negócios e do menor otimismo dos empresários quanto ao desempenho da economia nos próximos seis meses”.
 
Apesar da retração, o indicador seguiu acima de 50 pontos pelo oitavo mês consecutivo e foi o mais elevado para abril em seis anos. Vale ressaltar que índices superiores a 50 pontos mostram empresários confiantes. O ICEI do Brasil também sinalizou arrefecimento da confiança, com recuo de 2,3 pontos na passagem de março para abril (56,7 pontos). Os dois componentes do ICEI – condições atuais e expectativas – contribuíram para o recuo do indicador. Os índices variam de 0 a 100 pontos, e valores acima de 50 pontos indicam situação melhor e expectativa otimista, respectivamente.
 
O índice de condições atuais, que avalia a percepção dos empresários com relação à situação atual dos negócios, caiu 2,8 pontos entre março e abril (48,8 pontos). Com a retração, o indicador voltou ao patamar inferior a 50 pontos, o que não ocorria desde outubro de 2017. O índice, contudo, cresceu 4,8 pontos frente a abril do ano passado e foi o melhor para o mês desde 2011 (50,1 pontos).
 
O indicador de expectativas, que mostra as perspectivas dos empresários para os próximos seis meses, recuou 3,8 pontos na comparação com março e marcou 55,1 pontos em abril. Apesar da queda, o índice mostra otimismo no curto prazo, ainda que menor que o observado em março. O indicador foi o mais elevado para abril desde 2013 (56,2 pontos).