Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Por: Jadir Barroso

 

Incrível, mas verdade

As pesquisas eleitorais de todos os institutos, publicadas recentemente, dão conta de vitória da candidata do PT ainda no primeiro turno nas eleições presidenciais de 4 de outubro próximo, apesar de todos os problemas que o país enfrenta. Problemas econômicos, sociais e políticos de toda ordem viram trunfo eleitoral para quem está no poder no Brasil e se constituem em poderoso instrumento de ação política.

Como uma grande parcela do eleitorado brasileiro apenas pensa no próprio bolso, mesmo que ali só entrem migalhas, as razões pessoais falam mais alto que os interesses da sociedade brasileira. No Brasil, razões para voto contra são razões para voto a favor.

Por mais paradoxal que pareça ser, esta situação esdrúxula indica que quanto maiores e mais complexos os problemas do país, quanto maior a incapacidade dos governos para resolvê-los, maior é a popularidade dos governantes, cuja embalagem os marqueteiros são artistas em engendrar para vender sonhos, ilusões, quimeras.

E quais os problemas-trunfo os governos manipulam para, por meios lícitos ou ilícitos, confessáveis ou não, alavancar e catapultar as candidaturas oficiais? Podemos citar alguns, aleatoriamente:

 

1 – CORRUPÇÃO ENDÊMICA NA POLÍTICA BRASILEIRA

Não resta a menor dúvida de que a condenação dos mensaleiros do PT e as denúncias de corrupção no governo federal beneficiaram e muito, à primeira análise, o PT e partidos que mamam no poder. Corrupção acaba por carrear uma enxurrada de votos para os candidatos do PT e para a candidata à reeleição, Dilma Rousseff. Haja vista como o PT conseguiu, com lavagem ou não de dinheiro, os recursos necessários para José Genoino e Delúbio Soares pagarem as multas a que foram condenados pelo Supremo Tribunal Federal. Corrupção, desta forma, ao invés de tirar votos, dá votos. Os eventuais detentores do poder são os principais beneficiários da corrupção que grassa em todos os níveis. Corrupção não é privilégio do PT. Mas, com corrupção ou não, a plebe vota no PT e aplaude os condenados por corrupção.

2 – PIB FRACO AJUDA O GOVERNO

O crescimento do PIB – Produto Interno Bruto Brasileiro em 2013 situa-se na casa dos 2,3%, contra um crescimento pífio de apenas 1% em 2012. Isto afeta a popularidade da presidente da República? Nada. E prejudica sua candidatura? Não. De jeito nenhum. Pelo contrário, um PIB fraco tem ajudado a presidente. O seu governo, por questão de estratégia de marketing, não privilegia o desenvolvimento econômico, mas a adoção de políticas chamadas sociais, com migalhas (Bolsa Família) para os miseráveis, que dão voto e políticas de privilégios, carreando milhões de Reais para a burguesia (TJLP) que não dá voto, mas tem poder para tirá-los. Portanto, PIB fraco não é problema eleitoral, mas trunfo. PIB forte pode até prejudicar, porque o crescimento econômico traz muitos problemas para os governantes, acarreta o surgimento de novas classe sociais, de novas reivindicações, de novos níveis de aspirações etc. Para o governo ganhar eleição, tome PIB fraco.

3 – DÍVIDA PÚBLICA ESTRATOSFÉRICA

A dívida pública do tesouro nacional, interna e externa, atingiu no governo Dilma, em 2013, a estratosférica cifra de R$ 3,5 trilhões, R$ 240 bilhões a mais do que no ano de 2012. É mais do que o dobro do que o governo arrecadou com a exorbitante carga tributária de 36% do PIB. Esta é a maior dívida do governo federal em todos os tempos. Dívida pública alta tira votos? De jeito nenhum. Pelo contrário, dá votos, porque permite ao governo subsidiar a burguesia e os pobres.

4- JUROS DA DIVIDA

O governo Dilma Rousseff já destinou mais de R$ 900 bilhões para pagamento de encargos e amortizações da dívida pública brasileira. Por isso, o governo não tem dinheiro para realizar as obras de infraestrutura que o país reclama. Isto afeta a popularidade do governo? Pagar juros altos da dívida tira voto? Nada. Ajuda, porque remunera o mercado financeiro de onde vêm muitos recursos para financiar campanhas eleitorais. Não afeta em nada, porque o povão nada sabe a respeito e não se preocupa se o governo deve, porque deve, o quanto deve, os prazos de pagamento e os encargos. A dívida pública não chega ao povão. Nada disso preocupa o povão. O que o preocupa mesmo são, como já dissemos, as migalhas de R$ que entram em seu bolso todo mês, financiadas pelos contribuintes.

5 – CARGA TRIBUTÁRIA ALTA

A carga tributária brasileira é das maiores do mundo, girando em torno de 36% do PIB – Produto Interno Bruto. E o grande volume de recursos que uma parcela da população e as empresas pagam não se traduz em obras e benefícios para a população. Isto afeta a popularidade da presidente? De jeito nenhum. A plebe não sabe o que é carga tributária alta, nem o que significa.

6 – INFRAESTRUTURA EM FRANGALHOS

A infraestrutura brasileira se encontra literalmente em frangalhos, com as nossas rodovias em péssimas condições, a ausência de rodovias e ferrovias, portos e aeroportos para escoamento da produção. Não temos estradas suficientes para atender o crescimento da população e o número de veículos em circulação. Isto seria motivo de desgaste? Nada vezes nada. Se o fosse, a popularidade da presidente teria caído. E se mantém em patamares elevados.

7 – SEGURANÇA PÚBLICA

Nenhum cidadão, pobre, rico ou remediado, sentese seguro nas grandes, nas médias e agora, também, nas pequenas cidades. As ameaças de assalto a mão armada existem em todo canto. Ninguém tem segurança neste país. Isto afeta a popularidade da presidente? Até agora, não afetou, porque os estados também são responsáveis pela segurança pública. Assim, o governo federal joga nas costas dos governantes estaduais a responsabilidade pela segurança pública no país. E pronto. Falta de segurança dá até voto para a presidente, porque culpados são os gover nadores.

8 – EDUCAÇÃO DE MÁ QUALIDADE

Dados estarrecedores foram divulgados pela ONU sobre a educação no Brasil, onde os índices de analfabetismo se equivalem aos dos países mais atrasados do mundo. Culpa de quem? Do governo federal? Este se esquiva e diz que a educação no Brasil vai muito bem. O governo empurra para os municípios esta responsabilidade, mas não lhes transmite os recursos necessários. Resultado: má qualidade da educação não arranha a popularidade nem a candidatura à reeleição da presidente Dilma Rousseff.

9 – SAÚDE

A crise na saúde brasileira vem de longa data e cada vez mais se agrava, com o pobre sendo proibido de adoecer porque o SUS não atende de forma a contento a população. Não existem hospitais no interior para atender a população. Os poucos das grandes cidades estão abarrotados de doentes e filas e mais filas são formadas todos os dias às suas portas. Desta forma, o pobre não pode adoecer. O programa Mais Médicos é simplesmente uma forma de enganar a população pobre, pois os médicos nada podem fazer diante de situações crônicas e apenas os encaminham para os hospitais dos grandes centros. Como se vê, o programa Mais Médicos simplesmente tem cunho eleitoreiro.

10 – POBRES CADA VEZ MAIS POBRES

Os 26 milhões de brasileiros beneficiários pelo Bolsa Família votam em massa no PT. Mas, há 10 anos, continuam tão pobres quanto quando ingressaram no programa. Por que? Porque os maridos não podem trabalhar com carteira assinada, pois se o fizerem as suas mulheres perdem o benefício. Assim, eles estão literalmente desempregados. Mas não são considerados desempregados pelo IBGE, porque, se o forem, a taxa de desemprego no Brasil vai subir para mais de 30% da população economicamente ativa no país, que é de 90 milhões de pessoas. Seria uma das maiores do planeta.

11 – TRANSPORTE PÚBLICO

Em todas as grandes cidades brasileiras, o transporte coletivo vive um verdadeiro caos. Todos os dias, os trabalhadores sofrem para chegar ao trabalho e voltar para casa. Um sofrimento de mais de três horas em São Paulo, no Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e vai por aí afora. No entanto, quanto mais sofre no infernal trajeto trabalho-casa e casa-trabalho, mais o trabalhador, que ganha o mínimo ou pouco mais do que o mínimo, se dispõe a votar no PT, por outras razões. Incrível, não?

12 – REGIMES POLÍTICOS

A legislação político-partidária do país permite toda uma sorte de corrupção, de barganhas políticas, de compra de votos e conchavos de toda ordem. Por isso, o governo se vê forçado a fazer composições com partidos de todas as tendências que querem, a todo custo, ficar abrigados à sombra do governo, para usufruírem vantagens eleitoreiras… E é isto que querem.

13 – CONGRESSO NACIONAL

Constituído em boa parte por parlamentares corruptos, que se elegem a custa da compra de votos com dinheiro público, das barganhas políticas e de negociatas de toda ordem, o Congresso Nacional não representa os anseios do povo brasileiro. Infelizmente, as negociações com o governo, em troca de apoio parlamentar, giram, sempre, em torno de interesses individuais ou partidários. Lamentavelmente. Por isso, o Congresso não vota, de jeito nenhum, qualquer reforma política que venha a moralizar os costumes políticos deste país.

14 – OPOSIÇÕES INCOMPETENTES

Até o momento, as oposições não conseguem elaborar e por em prática um discurso e uma linha de ação que possam influir no ânimo da população para uma mudança de rumos neste país. Os candidatos de oposição não acharam ainda o caminho das pedras para atingir a população. Por isso mesmo, não avançam nas pesquisas. Mas, ainda há tempo para isto. Nenhum dos candidatos de oposição tem conseguido sensibilizar a população com um discurso em favor da ética, da moral e de mudanças profundas neste país.

Por tudo isto, vê-se que os problemas que o Brasil vem enfrentando não afetaram até agora a popularidade da presidente, nem ameaçam a sua reeleição, por enquanto. Por enquanto, repito.

Como em política tudo pode mudar, fatos novos podem eclodir e alterar o quadro atual. Podem.

Por enquanto, o quadro é favorável ao governo do PT. Vejamos onde vai desaguar tudo isto.