Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Quando olhamos em uma prateleira e selecionamos um livro sobre liderança, a primeira coisa que nos vem à cabeça é que se trata de um livro sobre negócios, administração, gestão empresarial. O Executivo e o Elefante, de Richard L. Draft, é um livro de negócios também. Mas não é só um livro para executivos. É um livro para líderes. Ao longo de seus 17 capítulos, os leitores podem aprender sim a ser melhores profissionais, mas também melhores mães, pais, professores, amigos…Enfim, é um livro que nos ensina a nos tornarmos pessoas melhores e mais centradas para tomarmos à frente de um projeto; qualquer que seja ele.

E a primeira lição, logo no primeiro capítulo é que, antes de ser um desafio coletivo, liderar é um desafio pessoal. Para Draft, mais do que exercer o poder sobre o outro, liderar é administrar a si mesmo.

“Aquele que deveria governar os outros deveria primeiro ser o mestre de si mesmo.” Philip Massinger.

De acordo com Draft, antes de mais nada, é preciso que o homem saiba e aceite que sua mente é divida em duas partes. E as duas são muito complicadas: uma é rápida e impulsiva, e às vezes suas necessidades inquietas são muito fortes para serem controladas. Essa parte quer recompensas imediatas; tem um intervalo de atenção curto e uma obstinação quase infantil em defender suas próprias posições. A outra é lenta e mais sábia, humilde e determinada: ela não reage de maneira exagerada às coisas e mantém um objetivo maior em mente. Todos nós temos os dois lados, mas nem sempre eles se apresentam de maneira equilibrada e inteligente. Controlá-los da maneira correta é um dos pré-requisitos para um bom líder.

O conflito entre o saber e o fazer é a principal conseqüência desse paradoxo mental, que muitas vezes leva o líder a tomar uma decisão errada, mesmo tendo consciência da coisa certa a se fazer. Este enigma é o foco principal do livro.

“O grande desafio da liderança não é descobrir o que fazer, mas, na verdade, fazer o que você sabe que vai produzir ótimos resultados. O desafio é aprender a liderar a si mesmo para fazer o que é preciso quando necessário. Dominar a si mesmo alinha seu comportamento com suas intenções, e conseguir fazer isso é muito, muito mais difícil do que parece” – diz.

O Executivo e o Elefante, que intitulam o livro, são uma analogia feita pelo autor para caracterizar nossas duas partes da mente, que ele chama de self. O elefante representa nosso inconsciente: “quando há um conflito direto entre as duas partes, descobrimos que a parte inconsciente parece tão forte quanto um elefante.

 

Você sente a força do elefante quando não consegue resistir a um desejo ou vontade apesar da vontade de sua consciência”. É o que acontece, por exemplo, quando não conseguimos resistir a um copo de refrigerante e uma fatia de pizza, durante um encontro com os amigos, mesmo estando de regime.

Já o executivo é a nossa consciência elevada, nosso CEO: “O executivo interior tem o papel de oferecer opções de processos de alto nível que podem conduzir o elefante interior. A mente voluntária é pequena em comparação com a mente inconsciente, assim como um executivo é pequeno em comparação com um elefante que está conduzindo. O executivo tem influência limitada sobre os processos mentais e comportamentais do elefante”.

A grande dica do livro é saber como equilibrar os sentimentos e impulsos e a dosar a quantidade exata de cada um dos self em busca de resultados melhores e mais efetivos. Identificar e reconhecer os dois self; reconhecer as maneiras de se enganar e iludir a si mesmo; aprender a se autoliderar; determinar prazos; acalmar-se para acelerar, desacelerar para impedir a reação, tomar consciência dos recursos interiores; pensar grande e liderar tomando outras pessoas como referência são alguns dos assuntos abordados e desenvolvidosão longo do livro.

“Esse livro irá explorar as rupturas entre saber e fazer que atormentam e enganam líderes e profissionais, e então descreverá práticas que irão fortalecer as suas melhores intenções em controlar de maneira assertiva seu comportamento pessoal. Essas práticas podem reduzir a distância entre os self divididos para criar um self mais unido e confiável que escolha os comportamentos mais sábios”, define o autor.

 

Sobre o autor

Richard L. Daft é professor da cadeira Brownlee O. Currey, Jr., Owen Graduate School of Management, na Universidade de Vanderbilt, onde ele se especializa e ensina sobre liderança. Professor Daft é o autor ou coautor de treze livros, incluindo seus textos best-sellers e dúzias de artigos acadêmicos. Ele pesquisou e lecionou bastante e pratica os conceitos deste livro em seu trabalho e na vida pessoal.