Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Donec nec mauris interdum, suscipit turpis eget, porta velit. Praesent dignissim sollicitudin mauris a accumsan. Integer laoreet metus

Livro de Hindemburgo Chateaubriand aborda o impacto sobre a posição ocupada pela mulher na sociedade e conclusões do autor sobre o futuro da humanidade

Uma viagem pela história da humanidade, o livro “Ciência e Tecnologia, do escritor e acadêmico Hindemburgo Chateaubriand Pereira-Diniz, remonta a evolução do homem baseada nos conceitos de ciência e tecnologia que norteiam o desenvolvimento da humanidade. Na obra, o estudioso frisa a relevância da conquista de um lugar de destaque pela mulher na sociedade e faz ainda considerações sobre o futuro da das relações sociais tendo como base as perspectivas levantadas ao longo um ano de estudo.

Inicialmente, ele faz uma definição do termo ciência como o conjunto do saber humano que é complementado pela tecnologia. Embasado em estudos, Hindemburgo parte do pressuposto de que a ciência colocada em prática gera tecnologia. A primeira se preocupa em saber como tudo acontece, a segunda age, materializa-se na forma do fazer as coisas. E este princípio norteia o caminho trilhado pelo autor no livro.

Chateaubriand passa pela teoria evolucionista de Darwin, pelo surgimento do homo erectus, do homo sapiens, na pré-história, até chegar à história atual, levando em conta o surgimento da escrita, primordial na evolução do ser humano. O autor associa essa evolução do homem aos avanços científicos e tecnológicos alcançados desde os primórdios. No livro, ele mostra a intensidade que as inovações chegam ao dia-a-dia da sociedade e aposta que as próximas gerações irão viver bem melhor que as gerações que os antecederam.

Sobre as mulheres e o futuro
Entre as realizações galgadas pela humanidade desde os primeiros tempos está a função da mulher. A mulher esteve, por muito tempo, relegada ao papel de sombra do homem por muitos anos, mas, segundo o escritor, sempre teve uma força indireta e uma influência sobre ele. Hindemburgo dedica um capítulo a elas, frisando a importância do espaço já conquistado pela mulher, atribuído por ele à abertura do mercado de trabalho devido à Revolução Industrial. Essa conquista foi vagarosa e dependeu das inovações tecnológicas e de mudanças culturais, como a pílula contraceptiva, invenção que rompia com preconceito contra a capacidade da mulher para o trabalho.

De acordo com o autor, trata-se de um assunto pelo qual se interessa há bastante tempo. “A questão do porquê do domínio masculino sobre as mulheres é uma tese antiga que desenvolvo. Atribuo este fato à tecnologia, que nos primeiros tempos era resultante da força física. Porém o uso das máquinas, trazidas pela Revolução Industrial, tornava mulher e homem igualmente capazes de manejar e comandar a máquina sem necessidade do uso da força”, explica.

Sobre o que vem pela frente, o autor é otimista quanto ao futuro do mundo e dos seres humanos. Proporcionadas pelos progressos contínuos proporcionados pela ciência e tecnológica, Hindem-burgo acredita em melhorias ainda maiores do que as vividas nos dias atuais. “No livro, eu falo também sobre a fase da robótica e do homem tendo que se adaptar a isso, tendo que mudar. Trago conclusões sobre como o homem viverá e sobre os computadores cada vez menores, com a nanotecnologia”, conta. O escritor assinala ainda que o homem não terá dificuldades materiais e não descarta a possibilidade do surgimento de robôs mais inteligentes que o ser humano.

Vida e Carreira

Nascido em Campina Grande, na Paraíba, Hindemburgo Chateau-briand é graduado pela Faculdade de Direito da Universidade do Brasil. Em sua trajetória profissional, o advogado passou foi assistente e secretário do Ministério da Viação e Obras Públicas. Foi, também, assistente jurídico e advogado da Central Elétrica de Furnas e Diretor-Secretário do jornal Correio Braziliense entre os anos de 1961 e 1965. Em Minas Gerais, atuou como assessor de fiscalização e Controle do Governo de Minas Gerais e coordenador do Projeto Rondon em Minas Gerais.
Hindemburgo foi ainda presidente do BDMG de 1967 a 1970 e da Associação Brasileira de Empresas do Nordeste. Em passagem pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), tornou-se diretor. Ele ainda presidiu a Fundação João Pinheiro em 1970 e entre os anos de 1985 a 1987.

ENTREVISTA – Hindemburgo Chateaubriand Pereira Diniz

“Grandes dimensões e
figuras marcantes”

Qualquer conversa com Hindemburgo Chateaubriand Pereira Diniz logo se transforma em uma aula sobre a história da humanidade, dado o conhecimento profundo do autor sobre temas tão abrangentes como ciência e filosofia. Nesta breve entrevista a MercadoComum, Hindemburgo traz um aperitivo do que traz o livro “Ciência e Tecnologia: origem, evolução e perspectiva.

Como o sr. definiria o tema central do livro?
Ele se propõe a discutir as origens da Ciência e da Tecnologia. Origens estas que eu identifiquei ainda nos primórdios da existência humana. Neste percurso, contei a evolução da pré-história até chegarmos à história, que começa com a escrita nascida na Macedônia. Também abordei no livro a Grécia, das grandes dimensões e figuras marcantes, e o Egito.

O livro foi resultado de quanto tempo de pesquisa?
Eu o escrevi em menos de um ano, abordando, inclusive, as invenções depois de Cristo em todas as suas dimensões ao longo dos séculos. No livro, que foi editado pelo BDMG Cultural, comento também sobre o legado de grandes nomes como Leonardo da Vinci, Isaac Newton, entre outros. Outro assunto que discuto é o domínio do homem em relação à mulher. Acredito que a força física sempre foi a causa dessa supremacia do masculino. Depois, com a revolução industrial, a mulher começou a ocupar espaço no mercado de trabalho, pois a força física masculina já não era fundamental para operar as máquinas a vapor, que também podiam ser dominadas pelas mulheres.
O senhor diz que a revolução industrial mudou a relação entre os seres humanos, mas trouxe certamente uma grande evolução na economia.

A Revolução Industrial foi o amálgama de concepção sobre máquinas e sua potencialidade de expandir a força física do homem, fosse para produzir mercadorias ou para se mover com rapidez na superfície da Terra. Havia um fluxo de ideias e invenções no início da Revolução Industrial, mas poucas teriam sido possíveis sem o motor que fornecia energia às outras máquinas; a máquina a vapor.

E depois deste período, quais foram os principais avanços?

Eu comento também sobre a multiplicação da inteligência via micro- eletrônica, que aconteceu na metade do século passado. Também dedico algumas páginas ao surgimento do computador e da pílula anticoncepcional.
Em seguida, eu trato do problema da reação feminina, quando a mulher começou a se indignar no começo dos anos 60. As mulheres estavam indignadas e influenciadas por tudo o que estava acontecendo na Europa e Estados Unidos em termos de movimentos sociais.